Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bats on the East Tower

Criei este blog com posts com um tema em comum: estilo alternativo. Se tiverem alguma sugestão/pedido, não hesitem em deixar um comentário. Blog escrito no antigo acordo.

Bats on the East Tower

Criei este blog com posts com um tema em comum: estilo alternativo. Se tiverem alguma sugestão/pedido, não hesitem em deixar um comentário. Blog escrito no antigo acordo.

A importância da personagem Abby Sciuto no mundo alternativo

 

Howdy little creatures!

 

Hoje trago-vos mais uma postagem na forma de reflexão! Acho que há muita coisa no mundo alternativo que vale a pena reflectir, e a importância da personagem Abby Sciuto da série americana NCIS é uma delas. Vamos ao post, shall we?

 

260809-pauley-perrette-alias-abby-sciuto-637x0-2.j

 

Abigail (Abby) Sciuto (personagem protagonizada pela actriz Pauley Perrete) é uma cientista forense da série NCIS. Foi dada para adopção em criança, e os seus pais adoptivos são (presumivelmente) surdos. O que leva a que ela seja excelente em linguagem gestual e leitura de lábios. Graduou-se com excelentes notas em sociologia, criminologia e psicologia. Também se graduou em ciência forense. A dada altura juntou-se ao NCIS e lá continua até hoje. 

 

A verdade é que adoro a série. E não só pela Abby. Gosto imenso das histórias e, claro, das outras personagens. Mas isso agora não vem ao caso. Depois desta breve introdução (podem encontrar mais informações sobre a Abby aqui), vamos então discutir a importância desta personagem para o mundo alternativo. 

 

season4_abby2.jpg

 

 

A personagem Abby Sciuto é, como devem calcular, um excelente exemplo para jovens alternativos que ainda vivam debaixo da alçada de pais preocupados. O que quero dizer com isto? Observemos:

 

-Abby é formada em psicologia, sociologia, criminologia e ciência forense (coisa que não é para qualquer um);

-Também tem imensas skills em informática;

-Trabalha numa instituição super importante; 

-Tem bastantes amigos que se preocupam com ela;

-Não é anti-social (pelo contrário, é super carinhosa e alegre. E adora dar abraços);

-Vai à igreja (sei que muita gente não tem interesse em tal coisa, mas há muitos pais que valorizam isso).

 

Vejam como ela é descrita por um dos seus colegas, Anthony DiNozzo:

 

"NCIS resident forensic scientist, heart and soul, a paradox wrapped in an oxymoron, smothered in contradictions in terms, sleeps in a coffin. Really, the happiest goth you’ll ever meet."—Anthony DiNozzo describing Abby in the Season 7 episode, "Truth or Consequences".

 

Vlcsnap-2014-01-16-22h15m56s220.png

 

Já vi, em vários locais da Internet, testemunhos de jovens alternativos cujos pais estão extremamente ralados com o facto de os filhos não seguirem os padrões sociais. E muitos demonstram-no de forma mais ou menos agressiva. Vejamos esta carta, que consta deste post do blog Stripy Tights and Dark Delights:

 

"Hi Amy,

I am a 14-year-old babybat. I have no contact with the Goth world, other than the internet. I have a problem.... I keep my style very simple due to my private Christian school, and especially my mother. Even so my mom seems to think I dress like a "prostitute" or a "tramp" (her words, exactly). I'm afraid to talk to her. She thinks Goths are a bunch of depressed druggies who are crazed over horror, death, blood and guts. She refuses to listen if I start to explain otherwise. Any ideas? I need help!
Sincerely,
Amelia, USA."

 

Venhamos e convenhamos: dizer que a filha tem estilo de prostituta só porque veste roupa gótica não é a melhor demonstração de assertividade de sempre. Nem é o melhor exemplo de excelentes skills parentais. Adiante.

 

Para este género de pais, a personagem Abby Sciuto (assim como a sua amiga Carol Wilson, que trabalha no CDC) é um bom exemplo: inteligente, cargo importante, pessoa de sucesso E gótica. OMG o choque! O espanto! Não é little creatures? 

 

2d09d1d47792ba3c29c8b47404e17d7f.jpg

 Abby e Carol

 

A Abby é um bom exemplo de "pessoa alternativa de sucesso",  que não se vê em muitos meios de comunicação hoje em dia. É, por isso, um exemplo a aproveitar em termos de educação. Sendo uma personagem com um alto cargo naquela instituição, torna-a um bom exemplo para mostrar às pessoas que sim, os alternativos têm tanta capacidade para ser pessoas de sucesso como o comum dos mortais. E que não, não é só por vestirem de forma diferente que não vão ter um papel na sociedade (esse preconceito já é tão velho, e já se provo o contrário tanta vez que não sei como é que ainda existe).

 

Por isso, aqui vai o meu conselho: para quem não vê a série, comece a ver. Observe a personagem. Caso tenha pais preocupados com a sua "alternatividade", mostrem-lhes a personagem. Vejam a série com eles. Talvez ver como a personagem Abby é, e ver como as outras personagens se relacionam com ela os ajude a deixar as preocupações de lado. 

 

Bem little creatures, por hoje é só!

 

Bat Kisses

 

Oriana Bats

 

 

 

Caso Alexys Becerra

 

Howdy little creatures!

 

Novo post, e desta vez é uma notícia com alguns aninhos (não muitos), mas que achei interessante pela forma como a polícia tratou (ou "destratou") o caso. Trata-se do caso de agressão a Alexys Becerra. Let's get to the post, shall we?

 

_66765929_66765928.jpg

 

 

Alexys Becerra (vocalista da banda Inertia e tatuadora) foi atacada a 27 de Dezembro de 2012 por seis raparigas, que para além de murros e pontapés, lhe arrancaram ainda 40% do cabelo. O resultado pode ver-se abaixo:

 

_66748515_66748514.jpg

 

Se quiserem mais informações sobre o caso, podem ler a notícia que saiu na altura. E ver este vídeo onde ela é entrevistada juntamente com Sylvia Lancaster:

 

 

 O pior é que, segundo diz na página de Facebook que Alexys criou, mesmo com os nomes completos, impressões digitais, filmagens e descrição do veículo, o caso praticamente não avançou. O que é muito triste mas é, infelizmente, uma realidade. Aparentemente Alexys não foi muito levada a sério. Por muito infeliz que a atitude da polícia tenha sido, não é uma atitude rara. 

 

"It's a risk you take, looking like this, but to me it feels good and it feels right. Why should I change?"

 

Este é um problema para muitas pessoas. Ter uma aparência diferente (seja alternativa ou não) é, em muitos locais do mundo, um risco. Porquê?

 

Na nova página de Facebook que criei para este blog faz pouco tempo, tive um comentário muito interessante que gostava de deixar aqui:

 

"O ser humano é sempre de difícil leitura. Aqueles que de alguma forma se evidenciam como seres pensantes são temidos. Parece-me importante colocar a pergunta sobre qual a razão do medo. Convenhamos que implica obrigar as pessoas a despertarem mas também me parece que muita gente tem medo do que pode ver em si mesma se tiver de olhar para além das aparências. O mundo mais difícil é o interior. Difícil porque complexo, no entanto é altamente compensador. A diversidade na qual os seres humanos se podem manifestar é tal que o desafio à compreensão é considerável... mas isso é enriquecedor, embora as pessoas normalmente apenas vejam esse cenário como ameaçador. Felizmente existem iniciativas como a presente, da sua parte, para criar estas páginas onde é possível colocar assuntos pertinentes como este. O (modo de vida) alternativo é o próprio. Não é a "carneirada". Bem-haja. Agradeço a sua iniciativa e espero que continue."

 

Este comentário explica muito bem a mentalidade do Ser Humano. É dificil "despertar" as pessoas para a vida. É dificil sair da nossa caixinha e olhar o mundo e ver a diversidade que lá existe. Pode ser algo assustador. No entanto é algo que deve ser feito. Imaginem as coisas da seguinte forma: pessoa X vive toda a sua vida na aldeia. Muda-se para a cidade. Lá tudo é diferente e pessoa X não sabe para onde se virar. Começa então a hostilizar toda a gente.

 

A hostilização é, muitas das vezes, uma forma de defesa. Mas nem por isso é desculpável. 

 

1383583_616857898357328_1834985803_n.jpg

 Imagem retirada da página de Facebook

 

Little creatures, deixo-vos com um conselho. Se alguma vez sofrerem algum ataque, vão à polícia. Se não vos levarem a sério, insistam. Vão ao Goucha ou à Júlia se necessário (por muito mal que nós falemos sobre os media, muitas vezes a coisa só anda assim), mas NÃO deixem o caso passar em branco. Quem sabe se, vendo o vosso caso, alguma pessoa muda um pouco as suas ideias? Para além de que, quanto mais se falar nestes casos, mais as pessoas acabarão por levar a sério. Estar quieto no canto quando estas coisas acontecem é que não. 

 

Bat Kisses

 

Oriana Bats

Halloween Countdown

Pág. 3/3

Mais sobre minha pessoa

foto do autor

Tradutor

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Comunicado

Este blog recolhe casos de preconceito e discriminação contra pessoas que têm diferentes estilos. Se quiseres contar o teu caso, entra em contacto com a autora através dos comentários do blog. Obrigada e Bat Kisses.
---------------------------------------------------------
---------------------------------------------------------